Blog

Comunicação interna para condomínios: como transformar o mindset dos condôminos

Comunicação interna para condomínios: como transformar o mindset dos condôminos

5.09.19

|

postado por MARKETING KIPER

|

NEGÓCIOS

Transmitir informações para moradores de um condomínio não é tarefa simples. Embora tenhamos cada vez mais maneiras de nos comunicarmos, ainda assim é bastante difícil conseguir atingir a todos.

Isso porque muitos dos condôminos não são engajados em relação às decisões coletivas que precisam ser tomadas: para se ter uma ideia, em uma pesquisa realizada pelo instituto de pesquisa DataFolha, menos da metade dos condôminos de São Paulo tem o costume de frequentar reuniões de condomínio. E, pelo que vemos frequentemente em assembleias condominiais, a situação não é muito diferente em outros locais do país.

De fato, muitas pessoas acreditam que, ao se omitirem de participar das reuniões de condomínio e evitarem a comunicação com outros moradores a respeito das questões coletivas, estarão “evitando estresse e problemas”.

Pois é aí que se enganam: por meio do engajamento dos moradores com a comunicação interna, é possível resolver a maior parte dos problemas condominiais, e colaborar para uma vivência cada vez mais colaborativa e produtiva para todos.

Por isso, neste post vamos falar quais são as vantagens que a comunicação interna para condomínios traz e, ao final, oferecemos um material que ajudará sua administradora a contribuir para uma comunicação interna mais eficiente nos condomínios. Acompanhe e boa leitura!

As vantagens que a comunicação interna para condomínios pode trazer para a convivência

1. Evita conflitos

Existem muitas formas de promover a comunicação interna entre condôminos. Uma das mais comuns são as assembleias. Quando são bem organizadas, essas reuniões são uma oportunidade para que todos expressem suas opiniões, prevenindo conflitos e aumentando as chances de que os moradores cheguem a uma decisão comum relativa aos assuntos propostos para a reunião.

De acordo com reportagem da Folha de São Paulo, um condomínio conseguiu resolver questões de relacionamento entre vizinhos criando uma comissão social, que tinha como objetivo aproximar os moradores. Com uma série de atividades recreativas e educativas, em menos de um ano as ocorrências disciplinas praticamente desapareceram.

2. Melhora a qualidade e o custo dos projetos

Pode parecer óbvio, mas algo que muitos condôminos não percebem é que, quanto mais eles se engajam em se comunicar com os outros moradores, mais os projetos do condomínio atendem a todos. Em outras palavras, se tornam melhores para o coletivo e, além disso, costumam ter seus preços diminuídos.

Segundo a mesma reportagem citada anteriormente, isso acontece porque a participação dos moradores tende a trazer mais transparência aos processos.

A reportagem cita o caso de um condomínio de mais de 300 apartamentos em que o sistema de água parou de funcionar. Ao buscar orçamentos para solucionar o caso, a síndica e conselheiros encontraram propostas que chegavam a quase R$ 2 milhões.

Assim, criaram uma “comissão da água quente”, que pesquisou sobre o tema e, depois de se reunirem algumas vezes, chegaram a outra solução, que custou menos de R$ 400 mil, uma economia literalmente milionária.

3. Dissemina informações, práticas e tecnologias que podem melhorar a infraestrutura e a vida coletiva no condomínio

Quando os moradores não estão cientes daquilo que se passa no condomínio ou das possibilidades que podem adotar para melhorá-lo, é normal que haja uma certa resistência para adotar novidades.

Isso porque, muitas vezes, uma nova prática ou sistema a ser implementado requer um esforço conjunto (que pode ser em relação à mudança de hábitos e/ou financeiro) para que gere benefícios. Então, se os condôminos não estão a par dos benefícios dessa novidade, enxergam apenas os custos que ela gerará.

Um exemplo é a adoção de práticas ambientais em condomínios, como a economia de água, energia e gás ou a implementação da coleta seletiva. Quando os moradores não conhecem os benefícios dessas ações, veem apenas o esforço de ter que tomar banhos mais curtos, diminuir o uso das luzes e ter o trabalho de separar o lixo.

Mas, uma vez que saibam quais são as vantagens (redução no valor das contas e diminuição de problemas sanitários no prédio, por exemplo), passam a encarar a situação de uma forma diferente.

Outro exemplo é a adoção de soluções inovadoras, como um sistema de portaria remota. Quando os moradores não conhecem essa solução, muitos não percebem os benefícios que terão. Só enxergam custos ou a perda de certas comodidades, como o contato com o porteiro humano, por exemplo.

Porém, assim que passam a conhecer as vantagens, como aumento da segurança, mais proteção em casos de emergência, monitoramento 24 horas, redução de custos etc., passam a confiar mais no sistema.

Para ajudar ainda mais os condomínios de sua administradora a desenvolverem uma comunicação interna eficiente, baixe agora nosso material com um template de boletim informativo!

comunicação interna para condomínios

E você, conhece outras vantagens de estabelecer uma comunicação interna nos condomínios? Conte para nós!

  • COMPARTILHAR

  • |
  • |